O Grupo El Progreso e a  Consellería de Cultura e Turismo assinaram um convênio de colaboração para levar a cabo o processo de digitalização do jornal El Progreso entre os anos 1941 e 1968. Este convênio permitiu transformar a formato digital 51.860 páginas impressas de 8.689 números publicados nesses anos. As imagens digitais resultado desse processo são acessíveis para todos os cidadãos através de Galiciana-Biblioteca Dixital de Galicia, plataforma de consulta do património bibliográfico galego digitalizado que gere a Consellería de Cultura e Turismo.

O jornal El Progreso, que se publica diariamente desde 1908, é um dos mais antigos de Galiza. Ainda que cobre informação  generalista, na actualidade é o único que dedica uma especial atenção às notícias referentes à província de  Lugo. Desde seus inícios o jornal configurou-se como uma publicação independente ao serviço dos interesses de Lugo e sua província, uma filosofia que mantém até hoje em dia.

A informação que contêm suas páginas é de grande interesse, não só para pesquisadores ou  estudiosos, senão para a cidadania em general, já que entre elas se podem encontrar desde crónicas sobre os grandes acontecimentos políticos que tiveram lugar  nesses anos, até singelas notícias de festas, casamentos ou  fallecimientos que constituem a  esencia da história quotidiana de um povo, neste caso o  lucense.

A  Consellería de Cultura e Turismo, através de Galiciana-Biblioteca Dixital, tem como um de seus principais objectivos a conservação e difusão do património hemerográfico galego. A imprensa histórica galega é uma fonte primordial de informação para estudos e pesquisadores vinculados com diferentes âmbitos da cultura galega. Levar adiante um processo de digitalização sobre a colecção do jornal El Progreso melhorará os serviços para os utentes em general, proporcionando um acesso de maior qualidade aos recursos da  Consellería em relação com a educação e a formação contínua.

A preservação do conteúdo da imprensa histórica galega é uma prioridade para a  Consellería de Cultura e Turismo, devido a instabilidade do papel no que habitualmente se plotava. Reduzir a manipulação e o uso de materiais originais frágeis ou utilizados intensivamente, e criar uma “cópia de segurança” para o material deteriorado, como pode ser o caso de muitos números da imprensa histórica, é uma das prioridades em todos os projectos de digitalização que leva adiante a  Consellería.

Parte da colecção do jornal El Progreso já foi objeto de um processo de digitalização sistémica, promovido pelo Ministerio de Cultura y Deporte, que deu como resultado o acesso através da Biblioteca Virtual de Prensa Histórica dos números digitalizados publicados entre 1 de setembro de 1908 (Ano-I Número 14) e o 31 de dezembro de 1940 (Ano   XXXIII-Número 13.892). Com o novo projecto, impulsionado pela  Consellería de Cultura e Turismo em colaboração com o Grupo El Progreso, amplia-se a faixa cronológica digitalizado até 1968, pelo que os cidadãos terão também acesso a notícias internacionais que se fizeram eco do fim da II Guerra Mundial ou do início da Guerra Fria, como a acontecimentos mais locais, como a inauguração das instalações industriais de  Frigsa em 1956, ou seguir as crónicas de  Pelúdez  e sua família nas festas de San  Froilán.

O projeto de digitalização El Progreso inclui um processo de reconhecimento óptico de caracteres. Este processo permite pesquisar em texto completo sobre as imagens acessíveis na Galiza, o que facilita muito as consultas na biblioteca digital. Basta digitar um termo simples que sintetize o assunto de interesse do usuário e os resultados mostrados já são apenas as páginas digitalizadas que contêm essa palavra. Com a incorporação de El Progreso, a Biblioteca Galiciana-Dixital dá acesso a 1.341.898 páginas da imprensa histórica galega publicadas desde 1808.

Tradução oferecida por Gaio.